sábado, 25 de outubro de 2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Pizza

Usamos muito a expressão “acabar em pizza” e quase sempre está relacionada a um fato político.

Pesquisando sobre a origem desta expressão descobri que ela surgiu após uma calorosa discussão entre diretores do clube do Palmeiras, em São Paulo. Quando terminou a reunião, como se não houvesse acontecido nada, todos foram comer uma pizza e ficou tudo como dantes..

Assim é este país. Acostumados a enxergar apenas 1 palmo à frente do nosso umbigo, se não somos incomodados, se não pisam nos nossos calos, deixamos para lá.

O ouvido parece que fica debaixo do braço. Se o assunto não nos diz respeito, ignoramos solenemente o que o outro está dizendo.

Jornais e revistas estão presentes na casa de poucos. Portanto, informação não chega a todos.

É uma minoria que tem consciência do que é viver em uma comunidade, quais são os nossos direitos e deveres e que todos nós somos responsáveis pelos nossos atos.

Mas vejo crescer, felizmente, um movimento disposto a dar um basta a isto tudo. Chega de somente ficar criticando e exibindo a nossa indignação. Para sermos justos é preciso que até mesmo nossos pequenos (serão pequenos?) desvios sejam encarados.

O bueiro entupiu? Lembra-se da última vez que jogou aquele saco plástico pela janela do carro? Ou a latinha de refrigerante?

Temos falta de a água? E você acha normal continuar lavando a sua calçada?

O trânsito está ruim? E qual o problema em parar em fila dupla – só um minutinho – para pegar a criança no colégio ou tirar dinheiro no caixa eletrônico?

Assim, exercitando pequenos atos de respeito que inocentemente achamos que não vai contaminar todo o país, vamos cobrar retidão daqueles que nos governam.

Honra, decência, respeito ao bem público não são qualidades desejadas. São valores que devem fazer parte da nossa personalidade e que devem ser o norte das nossas vidas.

Por isto, pizza por aqui só na cozinha. A receita de hoje veio do blog Ora, Pitangas e eu vou só variando o recheio. Rende muito (é uma pizza enorme) e fica deliciosa.

Vamos lá?


Ingredientes

3 e 1/4 de xícara de farinha de trigo
2 colheres de chá de fermento granulado seco
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
Aproximadamente 1 e 2/3 de xícaras de agua morna (ou soro)
2 colheres de azeite de oliva

Coloque todos os secos em uma bacia, junte o azeite, misture com uma espátula tipo pão duro, e vá colocando água ou até agregar e desprender da lateral da bacia, fica uma massa pegajosa, cubra e deixe descansar por 1 hora.

Depois deste tempo, unte uma assadeira com azeite e despeje a massa, aguarde uns 10 minutos até a massa relaxar um pouco, unte as mãos e espalhe a massa. Faça furos com os dedos e espalhe a cobertura.


Recheio

Fatiar a cebola temperar com orégano, manjericão, pimenta calabresa, alecrim e alho desidratado, reservar.

Espalhar um camada bem fina de molho de tomates 

Espalhar salaminho italiano (pode usar calabresa processada) 

Por último colocar as cebolas temperadas, regar com azeite e assar em forno médio

E prontinha para saborear


Bom dia


quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Exposição

O bordado é um trabalho delicado e que vai tecendo desenhos com linhas coloridas e agulhas.

A cada ponto o desenho vai tomando formas e expressa a nossa alma, traz vida e alegria.













Eu levei algumas toalhas e o quadro de lembranças que você já viu por aqui



Com linha e uma agulha
Eu mudo minha vida 
Um pequeno ponto de amor
E eu faço uma viagem

Bom dia

Eu vi aqui

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Exposição

Neste fim de semana foi realizada a exposição do Espaço Maria Arte e Oficio.

Cada aluna expõe os seus trabalhos pessoais e a turma faz um trabalho de pesquisa. Este ano escolhemos a obra de Guignard.

Alberto da Veiga Guignard, é o pintor brasileiro considerado um ícone da arte moderna, e em sua obra encontramos traços líricos e amenos.

Aos 36 anos, conheceu Amalita Fontenelle, por quem se apaixonou. E durante 5 anos desenhou cartões alegres, coloridos e que exibiam técnicas variadas, do nanquim às colagens, desenhos e impressões.

São 121 cartões que comemoram diferentes épocas do ano, como o Carnaval e o Natal. Não foram enviados porque este foi um amor não revelado, um amor platônico.

Nosso grupo fez uma releitura destes cartões, bordando os seus desenhos e reproduzindo as frases
.








Amanhã eu trago as fotos de alguns trabalhos