terça-feira, 3 de novembro de 2015

Senta, fique à vontade porque "lá vem história"

Voltei
Voltando
Eu vou ali e volto já
Recomeço

Foram palavras que muito utilizei no último ano. Muitas promessas, nem sempre realizadas. Foram dias, às vezes meses, sem conseguir deixar esta casa pronta para receber vocês.

Mas hoje é um dia datado em meu coração. E resolvi que era chegada a hora de dar explicações. Nunca pretendi ser fonte de inspiração ou modelo para alguém. Porém, um sinal de alerta sempre deve ser transmitido. É informação que pode ajudar alguém.

E deixa eu contar esta história desde o início para que vocês entendam melhor.

Em outubro do ano passado resolvi fazer um check-up, apesar do último ter sido realizado apenas há 6 meses. Tinha ido ao ginecologista, que pediu, além dos exames de rotina, uns exames cardíacos e estava tudo certo. Aos 63 anos, nunca precisei tomar remédios de uso contínuo e até mesmo a menopausa não deixou vestígios em minha vida.

Mas comecei a sentir umas dores nas costas. Sempre havia uma desculpa: viajei durante horas, usei muito tempo o computador, dormi mal.... etc.etc. Desta vez procurei um clinico geral que na primeira consulta não encontrou nada que justificasse estas dores e pediu exames. Muitos exames, até mesmo alguns que eu não conhecia e outros que havia feito somente quando era criança. Quando levei os resultados, dois chamaram a sua atenção: o exame de fezes com sangue oculto e o CEA indicavam um problema.

Não conhecia o CEA. Por ter um histórico de câncer ginecológico na família, eu sempre incluí o CA 125 nos exames de rotina.

Um esclarecimento sobre estes exames. Não são diagnósticos e sim marcadores. E eles são feitos com uma análise do sangue do paciente.

CA 125 - exame avalia risco para câncer de ovário

CEA - marcador tumoral para câncer colo-retal, estômago, pâncreas e mama

Estes marcadores podem se elevar em outras situações clínicas e é preciso realizar exames que confirmem o diagnóstico.

Juntando o lé com o cré, fui fazer uma colonoscopia que é o exame que permite ao médico analisar o revestimento interno do intestino. E veio a confirmação do diagnóstico: câncer no intestino.

Assim, em 3 de novembro de 2014 fiz a minha cirurgia no intestino. Não vale a pena descrever o que veio a seguir porque foram meses de tratamento quimioterápico, cinco procedimentos com anestesia geral e hoje eu acredito que somente quem já passou por uma situação assim pode avaliar como é doloroso e sofrido este tempo.

Alguém escreveu:
"Quando envelhecemos,
algumas coisas viram
sofrimento.
Outras, entendimento.
E outras, insuspeitadamente,
transformam-se em
contentamento".
Muito aprendi nestes tempos.

Contei para as pessoas mais próximas porque eu precisava da sua energia positiva para caminhar. Poupei as que me amavam demais e não mereciam sofrer porque já carregavam o fardo da idade e dos problemas. Mandei para a “p q p” àqueles que não cuidavam de mim quando eu estava bem e eu resolvi que não mereciam estar no mesmo quadrado meu. Fiquei mais leve.

Eu, que sempre quis a harmonia e o belo ao meu redor aprendi a conviver com náuseas, vômitos, arroto, diarreia e PUM. Para amenizar, fiz piadas com estes nojentos que passaram a fazer parte do meu dia a dia. Tudo para não perder o encanto com a vida e o sorriso.

A cada exame percebia que um novo dia pode ser um contínuo chegar de esperanças. Quietinha, no meu canto, concentrei todas as minhas energias na minha recuperação.

Sofrer não estava nos meus planos. Chorei muito para lavar a alma, para renovar as forças.

Lembra das dores nas costas? Desapareceram após a primeira consulta com o clínico geral e eu tenho a certeza de que eram as asas do meu anjo da guarda me empurrando para buscar ajuda.

Rezei. Mas sem fazer trocas com Deus e não tenho promessas para pagar. Confiei e deixei em Suas Mãos. Durante todo este tempo fiz um único pedido: cuida de mim. E, se não posso ter uma bolsa Chanel, não permita que eu ganhe uma bolsa de merda (colostomia).

Como Deus é muito bom de serviço e sabe fazer tudo direitinho, hoje eu me sinto pronta para contar a minha história. E lembrar a todos vocês que estes dois indicadores CEA e CA125 devem fazer parte da nossa rotina de exames.

E se você quer saber como estou, posso dizer com toda a sinceridade: eu estou muito bem. Sou uma pessoa abençoada e com uma única missão: ser feliz.




9 comentários:

Maria Luiza disse...

Sua missão também é fazer as pessoas felizes, Beatriz! Admirável seu testemunho, a sua compreensão diante de tão dolorosa doença! Mulher forte! Admiro muitíssimo sua força e coragem! Todas as bênçãos de Deus para a sua vida! Meu forte abraço!

Rê Furlan disse...

Nossa e nós sem sabermos de nada disso... senti sua falta, mas imaginei que alguma coisa havia acontecido para ele ter ficado em off esse tempo, sempre tem algo! Te desejo saúde e uma ótima recuperação! Beijão

✿ chica disse...

Piuxa, quantas coisas passaste em silêncio, bem quietinha!!

Que beleza que o final foi feliz! Aqui estamos vivendo novamente a presença dos "bichinhos" e voltou em 2 lugares:um deles, o intestino... Mas Kiko está forte e firme e todos o ajudando!

Parabéns pela tua coragem, pelo teu depoimento e aviso!

beijos e fica bem sempre!! chica

Anônimo disse...

Amo visitar o seu blog e deparar com cenas lindas de "bom dia". Apesar de tudo o que passou, não deixou de postar coisas lindas para os os nossos olhos e coração. Que Deus te proteja e te dê inspiração para continuar nos alegrando no dia a dia. Bjs Laura

Ana Paula disse...

As asas do anjo...
Feliz por você desejar ser feliz.
Beijo!

Tina Bau Couto disse...

Depoimento sem lamentos
De vida
De luta
Encantamento pela vida
Meu carinho, abraço e mão estendida de vamos em frente

Margarida disse...

Olá Beatriz. Sigo há pouco tempo o seu blog, mas sigo encantada com as imagens lindas e as palavras cheias de significado que partilha. Costumo ser uma visitante anónima, mas hoje quero deixar o meu apreço pela sua partilha corajosa e pelo seu testemunho tão positivo e bem humorado. Um incentivo para quem passa por dificuldades, semelhantes ou diferentes. Beijos, saúde e paz.

Juliana Lobato disse...

Parabéns, Babi.
Seu depoimento foi muito bom para alertar-nos que precisamos estar atentos a qualquer sinal diferente em nosso corpo.
Você nos presta um grande serviço com seu texto.
Eu que acompanhei um pouco mais de perto sua luta, sei como foi difícil, mas você soube reagir muito bem.
Abraços,
Juliana Lobato

Débora disse...

Parabéns pela tua luta e coragem .
Peço por vc , pois o mundo precisa de gente boa assim.
Adoro seu blog e te visito a muito tempo.
Sempre em frente , todos nós temos nossas dores e o melhor remédio pra elas é a alegria e vontade de viver .
Vamos realizar nossos sonhos , essa é a hora.
Bjs , minha linda .