sexta-feira, 13 de junho de 2014

Procura-se pais



O jornal de hoje informa que:

“Em Belo Horizonte cinema, museu e casas particulares foram atacados nas imediações da Praça da Liberdade. O protesto atingiu não apenas bancos e concessionárias de veículos, eleitos até então símbolos do capitalismo”.

“Em Porto Alegre, a manifestação começou tranquila. Mas, depois que mascarados atacaram lojas, bancos e prédios públicos, a polícia usou bombas de efeito moral. No meio da confusão, um pai também conseguiu tirar o filho do meio da confusão”.

Então percebi que nós precisamos, urgentemente, encontrar este pai para que ele sirva de modelo e exemplo.

A base da nossa sociedade é a família e se ela não está estruturada, não conseguiremos formar verdadeiros cidadãos.

É preciso que os pais de hoje tenham mais e mais condições para educar seus filhos. Que saibam preparar as crianças, adolescentes e jovens a serem cada vez mais capazes de fazer suas escolhas.

Que ensinem que a liberdade de escolha significa responsabilidade e que saibam usar essa função.

Que sejam capazes de oferecer aos seus filhos os conceitos que formam a base de nossa forma de ser e viver, que serão como bússolas capazes de estabelecer orientações seguras quanto ao rumo a tomar em cada circunstância.

Que os seus filhos sejam capazes de exercer os conceitos de honestidade, de colaboração, de gratidão, de fraternidade e que permanecem para sempre porque estas verdades são eternas.

Que formem seres humanos.

E, se apesar de tudo isto, o seu filho se tornou uma presa fácil de ideias que colocam em risco a sua grande tarefa de educar os filhos, que você seja capaz de ir às ruas e trazer o seu filho de volta para casa.

Mesmo se for preciso dar umas palmadas no bumbum. Uma é côncava e a outra é convexa e formam um par perfeito para ensinar os limites (atenção, não estamos falando de espancamento e surras).

Xuxa, a lei da palmada chegou tarde. Em famílias onde os pais deixaram à cargo da escola e da vida a tarefa da educação de seus filhos são eles que apanham dos filhos.


Atualizando em 14/06 - Encontrei outro pai, em São Paulo.

A atitude do pai que tirou o filho de um protesto contra a Copa do Mundo, na manhã de quinta-feira, no Centro de São Paulo, quando afirmou que ele teria direitos quando trabalhasse, teve grande repercussão nas redes sociais, ontem. “Você vai ter o seu direito quando trabalhar e ganhar seu dinheiro”, dizia o homem (não identificado) ao abordar o filho mascarado. O jovem, chamado de Renan, de 16 anos, respondia afirmando que queria “estudo”. “Deixa eu protestar. Eu quero estudo”. “Não me interessa. Você já tem. Eu pago sua escola”, dizia o pai. A mãe acompanhou os fatos emocionada, ao lado. O homem puxou o garoto quando os manifestantes começaram a hostilizar. 

4 comentários:

✿ chica disse...

Muito bom!! E esse pai foi o máximo: Disse ao filho que ele vai poder fazer protestos o dia em que trabalhar e tiver o seu salário! ADOREI ESSE GESTO! e O FILHO UM DIA HÁ DE AGRADECER! ISSO SE FOR LEGAL, POIS HÁ UNS QUE GANHAM TODO CARINHO E DEPOIS SIMPLESMENTE IGNORAM OS PAIS! BEIJOS,CHICA

Pandora disse...

Eu queria que todos os pais do mundo compreendessem as suas palavras e aplicassem... Acho que dois terços dos problemas que eu enfrento na escola seriam solucionados. A infância carece de uma pavorosa falta de pais/responsáveis que abraçam a educação de seus filhos e as responsabilidades disso.

Ana Paula disse...

Eu, especialmente aos finais de semana, me pergunto, ao ver aglomerações de jovens nas calçadas, parques, praças - bebendo e fumando - onde estão os pais, pois está na cara desses jovens que não passam de menores...
Li ontem no jornal sobre este pai daqui de SP. Uma exceção. Tomara as redes sociais multipliquem a bela atitude dele e que sirva de exemplo.
bj

Jussara Neves Rezende disse...

Apesar de exceções, as atitudes desses pais me fazem acreditar que ainda há esperança.
Obrigada por esse alento logo pela manhã.
Linda semana pra vc!
Jussara - minasdemim