segunda-feira, 9 de junho de 2014

Tá chegando a hora


Sempre fui fascinada pelo poder de uma gota d´água. É ela que faz transbordar o copo, que sacia a sede, que faz crescer a planta. E que é capaz de nos fazer perder a paciência.

Sexta-feira, fim de tarde e um horário marcado com a dermatologista. Este é um médico bom de ir porque só vai cuidar da beleza (que a gente tenta ter...). Mas no elevador um aviso chamou a minha atenção: “À partir da próxima semana a frente do prédio vai ser fechada por tapumes para evitar a ação dos vândalos nas manifestações”.

Foi a minha gota d´água.

E, como na música, fiquei me perguntando que país é este? Será que vamos conviver indefinidamente com tantos abusos, tantos escândalos, tantos atos que diminuem a nossa condição de cidadãos?

Como aceitar que mascarados, em nome de uma liberdade de expressão, destruam bens públicos e propriedades particulares? E que, por não poderem contar com a proteção do poder público os comerciantes transformem as ruas em um corredor do medo?

Como reagir à informação de que um garoto de uma creche levou para a professora o que de mais precioso encontrou em sua casa – algumas gramas de maconha?

Como aceitar que uma universidade – USP – orgulho de todos nós perca posições no ranking acadêmico latino-americano e mundial, seja envolvida em escândalos de corrupção e abuso?

Como entender que outra universidade – UFF – aprove a realização de uma festa com drogas, orgias e rituais satânicos com a justificativa de que a festa promovida fazia parte de um seminário. Durante a festa, a genitália de uma mulher teria sido costurada e a performance tinha como um dos objetivos denunciar a constante violência contra mulheres. De acordo com um dos organizadores “tratava-se de uma performance para chocar a sensibilidade das pessoas e fazê-las pensar sobre seus próprios limites. Infelizmente, há pessoas que acreditam que o mundo deve ser moldado à sua imagem e semelhança, sem permitir qualquer espécie de desvio do padrão ou mesmo qualquer espécie de afronta à sua sensibilidade confortável, conformista e preguiçosa. O caso é que foram feitas e divulgadas fotos do evento - o que deu a ele uma dimensão política e social que vai muito além dos muros do polo, tornando-se tema de blogs sensacionalistas e da imprensa marrom. ”

Que alunos estes professores estão formando? E com a publicação deste assunto passo à categoria de blog sensacionalista e, se o parâmetro é este, assumo que sou uma pessoa conformista e preguiçosa.

Vamos continuar? São varias as gotas d’água e sou “um pote até aqui de mágoa”.

Uma pessoa morre de ataque cardíaco na porta do hospital, um morador mata o zelador, o assassinato do menino Bernardo dói na minha alma e ver uma família que utiliza crianças para roubar carros entristece o descanso semanal.

Para finalizar, o poder da república. O que estão fazendo com este país é lastimável. É muito roubo, companheiro e fica difícil acompanhar todas as notícias. A lista dos escândalos políticos é enorme e hoje constatamos que, apesar da gastança extraordinária que irritou os brasileiros, não vamos ter uma Copa do Mundo que nos deixe orgulhosos.

Perdemos a oportunidade de discutir com a FIFA o que seria aceitável e fizemos mais estádios do que era necessário. Ou melhor, tentamos porque as obras estão inacabadas.

Perdemos a oportunidade de envolver a iniciativa privada e termos obras viárias importantes e necessárias. Por aqui, quando empresários e políticos se unem é para repartir o “bolo”.

Perdemos a oportunidade de atrair turistas e sermos um país de referência na captação destes recursos.

Mas eu me recuso a perder a minha alegria. Gosto de futebol e este sempre foi um esporte nacional. Vou torcer, vou vibrar e quero ver a minha seleção no topo.

A resposta àqueles que tratam assim o nosso país será dado em outubro.

E que sejam proféticas as palavras de Joelmir Beting “como é um partido interessante. Começou com presos políticos e vai terminar com políticos presos”.

3 comentários:

✿ chica disse...

Que maravilha de texto!
Passeaste por todos( ou quase) itens que nos chateiam e atrapalham. Greves ,tudo bem.Passeatas, idem. PORÉM sem quebradeiras e destruições. O resto todo, nos assusta:corrupção ,impunidade, mau caráter,etc.

Assim,a minha ÚNICA torcida será pela PAZ na COPA . O resto,nada.
Quero paz e respeito aos que aqui vierem e que eles respeitem os que aqui estão. Por aqui, a preocupação é com uma torcida organizada que chegará de fora e já está sendo monitorada. Isso é clima de Copa? CREDO!! Que a bola role na PAXZ e que em outubro possamos apitar de alegria após as eleições!!! beijos,chica

Regina Melo-Jocknevich disse...

Estou aqui, parada, sentindo uma tristeza no peito. Não tenho palavras para acrescentar, você disse tudo.

Um país tão lindo, onde vivi a maior parte de minha vida, gostaria de voltar, mas voltar pra quê?

Pandora disse...

Eu uma vez mais contemplo absurdada o quadro de nossa realidade... Ai eu fico pensando, está na moda na literatura histórias com temas pós-apocalípticos, nas quais o enredo se desenrola em um mundo maluco, mas me diga uma coisa Beatriz, será que a gente já não vive em um mundo totalmente improvável? O que pode ficar pior que esse quadro tão verdadeiro que suas palavras desenharam? A gente fica tentando se concentrar em algo de bom que está acontecendo, como a Copa, porque a realidade nos sufoca e eu quero muito que em outubro ninguém esqueça de nada e mostre nas urnas que quer mudança de verdade e não simplesmente destruir o pouco que temos em atos de violência.