quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Caçarola Mineira

Domingo era dia de visitar o avô. Ele ficou viúvo muito cedo e não se casou novamente. Morava sozinho, ao lado da casa da sua filha mais velha, que dele cuidava.

Ranzinza, ficava por horas curtindo um grande pedaço de couro e dele fazia cabos para chicotes. Sempre tive a impressão de que um dia a chicotada seria direcionada para um de seus netos. Nunca foi, era só preconceito. E conversava pouco.

Mas tínhamos a nossa recompensa. A tia abria os armários e lá sempre encontrávamos latas com biscoitos que ela mesmo preparava. Errava às vezes a receita e ficávamos por horas roendo uns biscoitos duros e sem graça.

E tinha a venda do Chiquinho. Para quem não conhece, a “venda” são pequenos espaços onde encontramos de tudo. Secos e molhados. Para pessoas e para animais. Tudo vendido à granel, de acordo com o freguês. E depois de atendidos em um balcão de madeira já ensebado pelos cotovelos dos clientes por anos à fio, nossa compra era anotada na caderneta.

Diante de tanta variedade, minha boca salivava quando via expostos os pedaços de caçarola. A caçarola deve ser prima do pudim e eu conheço a Caçarola Italiana (que pode também levar coco) e a Caçarola Mineira (feita somente com queijo).

Tenho feito muito esta receita e ela fica mais saborosa quando servida ainda morna, sem ir à geladeira. Vamos fazer?
  


Ingredientes:
½ litro de leite morno
13 colheres (sopa) de açúcar
5 colheres (sopa) de farinha
2 ovos
2 colheres (sopa) de manteiga derretida
5 colheres (sopa) de parmesão

Modo de preparo:
Derreta a manteiga e unte uma forma para pudim. Coloque o que sobrou depois de untar no liquidificador junto com os outros ingredientes. Bata tudo e leve ao forno preaquecido por mais ou menos 50 minutos até dourar.

Gostou? Eu estou esperando a sua receita. Mande para beatrizbernardes@gmail.com e será um prazer conhecer o sabor da sua cozinha.

8 comentários:

✿ chica disse...

Hmmmm..Que delícia e gosto das histórias que contas, das recordações...bjs, chica

Pandora disse...

Gente... Que delícia, fiquei com água na boca!!! Hummmmm preciso de uma caçarola dessas na minha vida!

E a história.... Ah, como eu amo uma boa história de família!

Jussara Neves Rezende disse...

Delícia de texto e de receita, Beatriz.
Já vou copiar - e fazer e, breve!
Abraço!

Tina Bau Couto disse...

Adorei a história, o nome do doce (que aqui é o nome popular de frigideira) e adorei a receita ;)

Bell disse...

Bia

Fiquei com água na boca rs...

bjokas =)

Isa Maria disse...

é sempre um gosto passar pelo seu blog. Fico sempre com água na boca.
Agora esta receita e a sua história, é uma delicia. Vou fazer para provar este seu doce. Mal possa, e vou anotar o seu email,lhe envio uma receita que só a minha mãe a faz na perfeição. E é de comer e chorar por mais. beijo

Regina Melo-Jocknevich disse...

Resolvi fazer essa receita sábado passado, entusiasmada comecei a juntar os ingredientes... faltou farinha :((

Isabel (Bekas) disse...

eu já fiz e amei. Vou, concerteza voltar a repetir. Valeu a pena. Obrigada e beijinho..tirei foto vou enviar-lha. Pode ser??