quinta-feira, 9 de outubro de 2014

O azeite

Tô sumida, não é? Um Bom Dia, todo dia e não consigo chegar até aqui.

É que não quero escrever. Não quero buscar imagens bonitas. Minha linha do tempo no Facebook está transbordando de mensagens agressivas e perfis falsos.

As pessoas não percebem que ao defender alguém atacando o outro ficam niveladas. Iguais.

O outro é essencial na minha vida. Eu posso não concordar com ele. Eu posso não comungar com as suas ideias e conceitos. Eu posso não beber da mesma água.

Mas ele é o meu parâmetro. Ele me faz ficar melhor. Ele me faz querer aprender e buscar o saber.

Se as urnas cuspiram um resultado que você não queria, resta aceitar.

Não posso culpar o eleitor que escolheu o palhaço ou o homofóbico. Quando utilizo a mesma moeda como resposta estou usando o mesmo ódio e preconceito. Não é a minha escolha mas tenho que reconhecer o direito do outro para fazer a sua escolha.

Livre arbítrio. Livre escolha. Respeito pela decisão tomada. Assim como eu quero que a minha decisão seja respeitada. Convivendo lado a lado dando ao outro o que temos de melhor.

Semelhante ao azeite. Produzido à partir da azeitona, fruto da oliveira que desde a antiguidade é considerada símbolo de sabedoria, paz, abundância e glória para os povos.

Na Bíblia o azeite é utilizado como símbolo da presença do Espírito Santo.

Quando as águas do dilúvio cessaram e a arca ainda navegava sobre as águas, o patriarca Noé soltou uma pomba que retornou trazendo um ramo de oliveira.

Na cozinha ele dá ao alimento um sabor e aroma peculiares.

A “não receita de hoje” (porque não tem quantidades específicas), mostra como podemos usar o azeite para fazer uma entrada saborosa para um jantar.

Basta juntar ao azeite pequenas porções de pimenta calabresa, ou aliche, ou zattar (utilizado na comida árabe), alho frito, ervas aromáticas e o que mais tiver em casa. Eles não se misturam, mas um fornece ao outro o seu sabor.

Pães variados e uma taça de vinho completam o cardápio.

E uma boa prosa. De preferência sobre política. Aquele política que prioriza o cidadão. Porque eu acredito que somente participando ativamente podemos mudar este país. E aprender a viver com sabedoria e paz.



4 comentários:

LEONOR MARIA LÈO disse...

PESSOA INCRÍVEL E SURPREENDENTE, VC...QDO VENHO BEBER DE SUAS ESCOLHAS DE IMAGENS PERFEITAS ACHO AS PALAVRAS MAIS SENSATAS E PERFEITAS DOS ÚLTIMOS TEMPOS E, COMO SE NÃO BASTASSE, A MAIS DESCOLADA, PRÁTICA E CONVIDATIVA DICA DE DEGUSTAÇÃO ENTRE AMIGOS...MEGASUPER PARABÉNS !

✿ chica disse...

Gostei da bem correta e apropriada introdução! E a entradinha, muito boa, adoro bons azeites!!!

bjs, chica

Paula RB. disse...

Beatriz, olá!

E não é verdade absoluta o que descreve sua crônica?

Se alguém possui uma opinião diferente ou divergente de outros, "cabou"... descem o cajado na gente como se opinião própria fosse algum pecado ou crime.

Por isso é que escolho muiiiito bem onde vou depositar os meus comentários na web (seu blog é um deles) para evitar mimimis e gente deselegante.

Concordo contigo nos votos lamentáveis do palhaço e do homofóbico.
bjks

Regina Melo-Jocknevich disse...

Amén minha amiga querida.

Será q um dia ainda vamos juntas saborear paezinhos deliciosos, com olive oil vinaigrette'' + gostoso ainda regado ao um vinho especial? Espero que sim :)