domingo, 12 de agosto de 2012

Uma carta para o meu pai


Quero muito falar com você e mandar notícias nossas. São 17 meses de emoções, tristezas, alegrias e saudades, fé e esperança.

Sua partida foi inesperada. Como um filme vou passando, quadro a quadro, nossos últimos momentos juntos e hoje consigo unir as pontas que pareciam soltas. Você nos avisou que a hora era chegada. Despediu-se. Abraçou e beijou cada um de nós. Mas não percebemos que era uma despedida.

Como foi difícil chegar a esta casa, pela primeira vez, sem você. Em cada canto, a lembrança da sua passagem. Acredita que no banheiro aquele velho pote ainda guardava os restos da espuma de barbear? O pijama sobre a cama, o chinelo jogado de lado. A roupa usada da véspera. No ar, o cheiro daquele creme que você gostava de usar nos cabelos.

Aí, alguém arrumou e guardou tudo, abriu as janelas. Ficou somente o vazio.

É muito difícil viver com esta ausência porque você é único e insubstituível, sempre e em todo lugar.

A gente tenta. Numa mistura de lágrimas e risos a gente vai levando a vida. Demoramos quase um ano para acender a churrasqueira porque aquele espaço era a sua imagem. Tinha todo o ritual de amolar as facas, separar as carnes e não se esquecendo que a patroa só gosta de carne de porco, aquele pedacinho de lombo, bem clarinho. Um dia nos reunimos, meio sem jeito, meio sem graça. A chuva - sua amiga, neste dia caiu forte e generosa, lavando nossa alma e nos dando a certeza de que você estava junto.

Não tenho visto mais aquele gato que passou a dormir na varanda depois que você se foi. Sei bem que gato de rua não tem pouso certo mas no fundo eu queria acreditar que você - que adorava gatos - o mandou para cuidar de nós.

Fizemos algumas festas, abrimos as portas da casa e do coração para a alegria. Celebramos as conquistas de cada um. Para aprender a viver sem você foi preciso recorrer ao tesouro que nos deixou – e diariamente utilizamos pitadas de ternura, bondade, compreensão, sabedoria, prudência, boa vontade, ética e capacidade de servir. Ë o que nos move e nos faz caminhar pois seguir é nossa missão.

Em nosso último encontro você pediu que eu nunca deixasse faltar nada à minha mãe. Pode ficar tranquilo porque estamos sempre a cuidar dela e do seu ninho. Temos fartura e aos poucos vamos nos acostumados com esta nova marcha que a vida nos deu. Somos três Marias a cuidar da sua rainha e sempre tem uma ao seu lado.

Nossa família está menor porque alguns não entenderam que a partilha do verdadeiro tesouro que você nos deixou será sempre uma fonte inesgotável de bens valiosos. Mas não se preocupe porque o tempo passa veloz e vai se encarregar de curar as feridas. A raiz é muito boa e se alguma planta ficou torta ou murcha fica sempre a esperança de que um dia se renove. Tenho procurado resolver as questões à medida que aparecem e não fico sofrendo com antecedência. Deus tem sido um bom e velho amigo, conversamos muito e está sempre conosco.

Se fica muito difícil eu respiro, respiro, respiro. E respiro.

Você sempre foi um semeador e a terra sua vida. Foi da terra que você colheu os frutos e alimentou a sua família. Hoje, no seio desta terra sei que você encontrou descanso e paz.

A benção, meu pai.

14 comentários:

Carla Fernanda disse...

Uma bela homeangem!
Feliz dia dos pais!

Saudações,

Carla Fernanda

Cores e Arte disse...

É nessas horas, quando a gente lê coisas assim,
e vê quase a própria história, e as lágrimas correm livremente, é nessas horas que percebemos como o sofrimento nos irmana. Porque sentimos a mesma dor: a ausência.
Meu terno abraço e meu respeito por todo o sentimento que deixou transparecer.
Lécia

Tina Bau Couto disse...

Linda e emocionante carta.

"Somos todos visitantes deste tempo, deste lugar. Estamos só de passagem. O nosso objetivo é observar, crescer, amar. E depois vamos para casa."
Provérbio aborígene

Meu carinhos e agradecimento a seu pai que semeou, o que hoje para mim é uma querida flor :)

Fran Huesa disse...

chorei aki...linhda homenagem...

bjuuu

david era uma vez... disse...

Nossa Beatriz.. como eu sei da sua dor da saudade!
chorei muito ao ler.. alias hj é meu dia de chorar!!!
A gente APRENDE a viver sem o nosso pai, é difícil demais...mas a gente ira caminhar.

Beijos

Cida Alves disse...

Olá Beatriz.... simplesmente maravilhoso!! Amei!! Bjos da coruja!! (By Coruja)

Leninha disse...

Beatriz querida,

...e a gente tem que continuar com as nossas vidas,vivendo e aprendendo,caindo e levantando sem o apoio daquele que sempre foi o nosso norte,a nossa direção,o nosso leme e a nossa âncora...
Li sua carta antes da missa e só agora,depois que voltei,foi que consegui me sentar e assentar as minhas ideias para lhe falar.
Se pudéssemos controlar tudo,nunca deixaríamos que nossos pais se fossem,mas temos que nos submeter à vontade Divina,à lei da vida e nosso destino é a eternidade...e este não é o fim. Isto sempre me deu forças,desde que meu pai se foi,mas também foi muito difícil,muito dolorido,amiga.

Bjssssss e muito carinho,
Leninha

Jussara Neves Rezende disse...

Lindo texto, Beatriz, com o qual muito me identifiquei. Meu pai ainda está aqui, mas cada dia se despede um pouco mais e é triste saber que é irreversível.
Faço como vc: respiro, respiro, respiro e respiro. E continuo.
Semana abençoada pra vc!
Bjo&Carinho,
Jussara

Maria Amélia disse...

Lindo!!!!

marcia novaes disse...

Maravilhoso,resume bem a dor que sinto sem a presença do meu , também,maravilhoso pai.Somos adulto mas a dor dessa perda nos transformar em crianças confusas e perdidas,bem fica tudo de bom (e de ruim) fé em Deus que com certeza nos reanima e revigora.

simplesmente....fascinante disse...

Bom dia Beatriz,
não consegui ler sem chorar. Linda declaração de amor.
Fiquei com o coração apertado,agora só tenho o meu pai já com 87 anos.
Mas.....é a vida!
bjão e um bom inicio de semana
mari

casa de professora disse...

este ano fez 5 anos que meu pai se foi, sei o que vc está sentindo...mas a vida é só uma passagem onde todos nós passaremos e voltaremos para a verdadeira morada e lá não haverá mais separações...bj, fica com Deus!

Regina disse...

Olá minha querida, não encontro as palavras certas para deixar aqui depois de ler essa sua carcarta tão profunda, que eu sei veio do fundo de sua alma.
Você é uma pessoa especial, acho que já lhe falei isso, e se seu pai puder vê-la agora, com toda certeza é um homem orgulhoso da filha que teve.

Rosângela disse...

Que coisa tocante, maravilhosa, Beatriz. Parabéns!