quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Lançamento do livro


Theresa Hilcar é uma amiga de sempre. Fomos muito próximas em tempos distantes e a amizade que nos une não precisa de presença para ser presente. A internet nos reuniu novamente e atualizamos os dados que faltavam para completar o cenário. Hoje, a jornalista e escritora mora no Mato Grosso onde é membro da Academina Sulmatogrossense de Letras. 

Em seu novo livro - No fundo do Poço não tem Moda - a escritora (na foto com o escritor Manoel de Barros), – questiona a vida e o viver e exorciza as suas dores. Na crônica Perdas e Rimas, assim escreve

Eu perdi um vestido. Minha mãe. Perdi amores. Alguns amigos. Perdi uma jaqueta de couro. A camisola do dia. Outra de renda, verde-água. Perdi uma bolsa de marca. Vários lençóis de puro algodão. Perdi avião. Um colar de ouro, uma pulseira de safira. Perdi peso. Apetite. Perdi o avô, a avó, vários tios. Perdi um bebê. Vários arquivos de computador. Perdi dois manuscritos. Uma festa importante. Meu aniversário em 1989. Perdi o gosto. O sono, a pose, o jeito. Perdi o “Livro das Ignorãças” – edição especial.

Perdi a vez. A paciência. Perdi a oportunidade de calar, de falar. De dar adeus. Perdi a conta. A vontade. Perdi o desejo de ficar, de partir, de estar. Perdi primaveras, outonos, invernos. Odeio verões. Perdi a chamada, a chave, os diários do colégio. Perdi a inocência, a vaidade, o orgulho. Enlouqueci. Perdi o senso, o humor, a piada, o estilo. Perdi o filme, o ônibus, a aula, o acordeom. Perdi o tom, uns pares de meias, alguns batons, a blusa de plumas. Perdi os pés, o salto, a máscara.

Perdi uma caixa de fotos. Três casamentos. Perdi duas alianças. Outros amigos. Perdi a infância, adolescência. Perdi a virgindade. A fé. Perdi um par de sapatos vermelhos que comprei em Paris. Perdi uma gata, a Bibi. Perdi endereços. Telefones. Perdi a esperança. Os sonhos. A libido. Perdi palavras. Horas. Perdi o tempo. Dois relógios. Perdi o bonde. A coragem. A história. Me perdi.

Tenho uma via de perdas. Esquecimentos, desleixos. A matemática nunca foi meu forte. Faço contas de diminuir. Esqueci como se soma. Não sei multiplicar. Nem dividir. Mas, separo tudo. Os dias, as noites, os minutos, filmes, livros. Separo mechas de cabelo, as maçãs maduras, os vasos de flores, os temperos, os ovos. Sei cozinhar, lavar, passar, escrever e ler. Mas não sei viver.

Acordo querendo dormir. Durmo pensando em não acordar. Passo dia esperando a noite. Da semana só gosto de sábado. Domingo tem cheiro de solidão. Vivo como se fosse ontem. O hoje é meu amanhã. Não tenho presente. Só ilusões. Delas não me perco. Elas me anestesiam. Tenho medo da loucura. A vida é doida demais. Pode ser um quadro na parede. Mas como dói, já dizia Drummond.


Neste, sábado, 28 de outubro ela vai estar em Belo Horizonte para o lançamento do seu livro e além de rever a amiga eu vou buscar um abraço apertado e o meu livro autografado. 



5 comentários:

Ana Paula disse...

Bom encontro, bom abraço!
Dica de livro da amiga anotado!
Beijo

leninha brandao disse...

Boa noite, minha querida!!!
Meu Deus, como sua amiga escreve lindo!Ah,vou querer este livro...deve ser uma delícia de se ler.
Obrigada pela visita e pelas palavras tão delicadas!
É sempre bom receber a visita de uma amiga e vc é muito especial.
Bjsssssss,
Leninha

lenalima disse...

Que legal, vai ser um belo encontro!
bj

Rovênia disse...

Ela é boa, gostei muito. Vou comprar o livro, com certeza! Beijos e ótimo fim de semana! :)

Jussara Neves Rezende disse...

Betariz, gostei muiuto da amostra. Já anotei aqui, mas o que eu queria mesmo era ir a esse lançamento em BH. Abraçaria vc e traria o livro autografado. Olha que chique!
:)